Browsed by
Mês: fevereiro 2018

Volúvel e volátil – A paixão pelo efêmero e os jogos de sedução em tempos de Tinder

Volúvel e volátil – A paixão pelo efêmero e os jogos de sedução em tempos de Tinder

Conectados, mas sem vínculos. A primeira geração da era digital vive o amor de forma imediatista, autocentrada e sem padrão. Com os aplicativos, a paquera virou um game, que acelera os encontros e diminui a dor da rejeição. O romantismo acabou. Virem-se. A rapidez tecnológica virou imediatismo. O individualismo geral acelerou o cronograma de se apaixonar e desapaixonar e fez brotar um medo do compromisso. A geolocalização substituiu o acaso. Os parceiros são tão descartáveis quanto qualquer outro item da…

Read More Read More

Sobre a morte e o viver

Sobre a morte e o viver

“Se queres aguentar a vida, prepara-te para a morte.” – Sigmund Freud A morte, curiosidade da infância, se tornou inimiga na juventude. Comecei a temê-la ao tomar consciência de que ela poderia chegar a qualquer instante. A preocupação não era se eu iria para o céu, mas o fato de interromper meus sonhos e perder minha vida. Medo de perder quem amo. Aos poucos, fui sendo levada a ver a morte sobre outros ângulos. Foi quando decidi trabalhar em cti…

Read More Read More

Uma mulher não pode vacilar

Uma mulher não pode vacilar

Um texto fictício baseado em casos clínicos. Artigo escrito a 4 mãos. Deise Dias e Clara Assis Era um fim de tarde e ela mais uma vez voltava do trabalho angustiada. De que me serve essa relação? Se lembra da fala da analista: “Pra que você precisa desse homem nesse momento de vida?” Perguntas sem respostas. Não porque não tenha resposta. Mas porque até falar baixinho para si dói tanto que ela afasta qualquer ideia que surja. Ela sabe que…

Read More Read More

Fazendo escolhas

Fazendo escolhas

Sempre temos que fazer escolhas. Sempre essas escolhas trazem consequências. Mas a mais difícil delas é entre duas coisas que causam sofrimento e trazem “felicidade” ao mesmo tempo. Aí lembro-me de Jorge Forbes: “Você quer o que deseja?” Muitas vezes temos que renunciar a algo que, momentaneamente, nos deixa felizes, porque o saldo final é negativo. Mas só de pensar nessa renúncia, a dor é tão grande que pensamos em adiar a escolha por mais um tempo; mas sabemos que…

Read More Read More

%d blogueiros gostam disto: